11 99231-6498
Language:
Apresentação
11 99231-6498
SIGA-NOS

Vultos

Ituanos que fizeram História

Almeida Júnior, ilustre representante da cultura paulista

almeida-júnior.jpg
Artes
O ituano Almeida Júnior foi um dos mais importantes pintores brasileiros do século XIX. Sua produção representa e retrata parte significativa do conjunto cultural paulista. Segundo a Mestre em Artes, Paula Giovana Lopes Andrietta Frias, quando se trata de avaliar as contribuições da produção de Almeida Júnior para a arte brasileira, fica claro que o artista conseguiu trazer uma nova discussão para a pintura brasileira ao tratar os temas regionalistas em suas obras. Dentre as questões que permeiam esta discussão, a inserção do ambiente “caipira” nos assuntos artísticos do século XIX é um dos pontos fortes. “Somente alguém que conhecia de perto a realidade que retratava poderia fazê-lo com tanta qualidade”.
 

Paula Souza, um homem à frente de seu tempo

paula-souza.jpg
Engenharia
Na histórica e notável família Paula Souza destacam-se alguns varões que prestaram relevantes serviços ao país. Entre seus membros, o patriarca Francisco de Paula Souza e Mello, presente em importantes momentos da história do Brasil. Outro integrante da família é o ituano Antonio Francisco de Paula Souza, neto de Francisco. 

A história de Antonio Francisco de Paula Souza não se limita somente à história de Itu; ele obteve destaque em vários ramos, incluindo a participação na fundação da Escola Politécnica de São Paulo. De acordo com o engenheiro Jair de Oliveira, Paula Souza trouxe grandes progressos para o Brasil e também para Itu. “O país cresceu muito com Paula Souza, pois ele sempre teve uma visão de futuro”.
 

Simplício, um nome que será lembrado para sempre

simplício.jpg
Cultural
Francisco Flaviano de Almeida, o Simplício, foi um dos mais importantes humoristas do país. Para os ituanos sua
sua importância é ainda maior: ele foi o responsável pela fama de Itu como "a cidade onde tudo é grande", e com isso, esteve à frente do grande salto econômico que aconteceu no município nas décadas de 1960 e 1970, que foi impulsionado pelo turismo lúdico inventado por Simplício, através da "lenda do exagero".

De acordo com o jornalista Salathiel de Souza, autor de uma extensa pesquisa sobre o humorista ituano, sem essa "lenda" criada por Simplício, Itu não teria se expandido tanto na época, tampouco se tornaria conhecida nacional e internacionalmente como o lugar "onde tudo é grande". “Grande parte do crescimento econômico e populacional da cidade foi resultado direto da publicidade engraçada e gratuita que Simplício fez de sua terra natal, gerando divisas para os cofres do comércio e do município, atraindo investimentos na área industrial e turística”.
Musical
Entre várias outras qualidades, a cidade tem como ponto alto a música. Mãe de compositores como Elias Álvares Lobo e Tristão Mariano da Costa, Itu é hoje também, conhecida pelo Museu da Música, uma homenagem feita pelo Instituto Cultural de Itu para presentear a cidade dos grandes nomes.

Elias Álvares Lobo e Tristão Mariano da Costa criaram inúmeras composições para as festas religiosas de Itu. Para a Semana Santa Elias compôs as Três Horas de Agonia ou as Sete Palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo no Calvário e Motetes para a Procissão de Passos, que vem sendo apresentadas pelo Coral Vozes de Itu, regularmente.

Elias Lobo, um momento na música brasileira

elias-lobo.jpg
O professor e maestro Luis Roberto de Francisco, autor de uma biografia sobre o famoso compositor Elias Álvares Lobo, define-o como “um idealizador, um entusiasta da cultura de seu tempo, dos anseios da elite e por isso produziu muita música, de quase todos os gêneros para os quais se escrevia naquele tempo”. E afirma: “Para nós, hoje, ele é, como artista, o melhor registro da segunda metade do século XIX no interior de São Paulo”.

Tristão Mariano da Costa, um importante resgate da música barroca

tristão-mariano-da-costa.jpg
Tristão Mariano da Costa marcou seu tempo como intelectual católico ligado a práticas culturais tradicionais. De acordo com Luis Roberto de Francisco, Tristão Mariano se preocupou em manter viva a cultura de sua gente, defendendo ardorosamente o patrimônio cultural, a arte e, ao mesmo tempo, desenvolvendo projetos para melhoria da qualidade de vida da cidade. “Sua obra musical é a melhor característica da peculiaridade da música brasileira na segunda metade do século XIX”, afirma. 

Ainda segundo o maestro ituano, Tristão não foi apenas um ótimo compositor, mas também teve grande destaque como professor, político e escritor.

O lendário Barão de Itaim

Política
O Barão de Itaim, figura lendária que viveu de 1821 a 1908, gozou de grande prestígio no estado de São Paulo, tornando-se pessoa de destaque na estrutura econômica e na política ituana do Tempo do Império. Bento Dias de Almeida Prado, como foi batizado, foi o pioneiro na implantação da iluminação pública de Itu. 
Segundo o escritor Inaldo Lepsch autor do livro “O Barão de Itaim – vida, obra e legado de Bento Dias de Almeida Prado”, obras de generosidade não faltaram no currículo de um dos ituanos mais importantes na época. Feitos como a contribuição para o Asilo de Nossa Senhora da Candelária, a Santa Casa e até mesmo o douramento do altar da Igreja Matriz de Itu lembram a figura generosa do Barão. “Ele foi um grande ituano, cuja memória os ituanos natos ou por adoção, devem reverenciar”, afirma Lepsch. 

Prudente de Morais, Presidente do Brasil

Prudentedemorais.jpg
Politica
O ituano Prudente de Morais, nascido em 4 de outubro de 1863, foi o terceiro presidente da história do Brasil e o primeiro a ocupar o cargo pelo voto direto. Prudente representava a ascensão da oligarquia cafeicultora e dos civis ao poder nacional, após um longo período dominado pela monarquia.

Eleito Presidente da República em 1894, Prudente governou o país num período conturbado da vida política nacional, em que monarquistas e militares tentavam voltar ao poder. O governo consolidou-se após a vitória do exército republicano em Canudos e o fracasso do atentado contra a vida de Prudente de Morais. Mesmo adoentado, cumpriu todo seu mandato.
 

Padre Bento, o Apóstolo da Caridade

Padre-Bentodiascarneiro.jpg
Religioso
Entre todas as grandes personalidades ituanas, Padre Bento Dias Pacheco, é, com certeza, o mais próximo da santidade, pois seu processo de Canonização já esta em fase adiantada no Vaticano. Para ser beatificado, deverá ser comprovado que Padre Bento foi responsável por um milagre. Na verdade a sua vida, de 40 anos entre os leprosos já é um milagre, pois não contraiu a doença.

Em seu livro, Francisco Nardy Filho, define o beato: “Padre Bento, em sua vida, resumiu admiravelmente o grande mandamento do Amor: amou a Deus sobre todas as coisas e ao próximo por amor a Deus. No pobre doente, desfigurado, desprezado, sentiu resplandecer a Face de Cristo, sinal seguro de ressurreição e de vida eterna”.
 

Ermelindo Maffei: simplesmente humano

ermelindo-maffei.jpg
Social
O advogado Dr. Ermelindo Maffei defendeu em seus 62 anos de profissão os direitos humanos e lutou severamente contra as injustiças sociais. Segundo Luis Roberto de Francisco, Maffei se tornou um ícone na defesa dos vencidos da História. “Ele merece o reconhecimento de seus conterrâneos que veneram sua atuação e precisam seguir seu exemplo”. Ditinha Schanoski, arrisca dizer que “ele soube defender os trabalhadores dentro de uma filosofia de paz e amor, sem opressão ou discórdia entre patrão e empregado”.

Como forma de homenagear a real importância do advogado para o desenvolvimento social de Itu, em 2007 foi comemorado o Ano da Cidadania Dr. Ermelindo Maffei, festejando o centenário do seu nascimento. Para isso, vários eventos foram realizados na cidade, que tinham como objetivo compreender a atuação do advogado em causas políticas ligadas ao bem comum, aos interesses da justiça e da melhoria da qualidade de vida dos cidadãos de seu tempo.

​Fontes:

Jornalista Camila Bertolazzi – Itu.com.br
Trabalho de Conclusão de Curso do jornalista Salathiel de Souza, em 2003. Biografia de Francisco Flaviano de Almeida – “A Vida do Comediante Simplício”. Trabalho de pós-graduação da mestre em Artes, Paula Giovana Lopes Andrietta Frias. “A representação do universo caipira: fator de renovação na produção de Almeida Júnior”;

Artigos do jornalista Paulo Stucchi publicados no itu.com.br;

Escola Politécnica da USP;

Revista Campo & Cidade;